Como ter reuniões dinâmicas no domingo?Data de publicação: 04/02/2020

Como ter reuniões dinâmicas no domingo?

As reuniões de domingo são as mais esperadas pelas crianças.  Vale ressaltar que as duas reuniões são básicas dentro do Clube de Aventureiros, tanto a de sábado, como a de domingo. Qualquer reunião sempre precisa contar com abertura, momento espiritual, ideais, momento divertido, etc. Mas é na reunião de domingo que é o dia internacional da criança ser criança.


A diretoria do clube precisa estar atenta quanto ao espaço para as crianças participarem. Caso o pátio da igreja não seja suficiente, procure um espaço que seja. Quando eu era diretor de clube e via que a igreja já não comportava espaço suficiente para as crianças no domingo, buscava parcerias com alguma escola vizinha. Já consegui sucesso em convencer diretor de uma escola particular, mas normalmente escolas públicas são mais fáceis de serem negociadas.


Evite brincadeiras repetitivas e jamais deixe que somente as crianças escolham as brincadeiras. É sempre bom, sim, ouvir o que as crianças querem fazer, ainda mais quando elas se oferecem, mas quem comanda as brincadeiras é a diretoria, não a criança.


Não esqueça que a meditação deve ser vista como prioridade nesse dia. Não faça uma meditação às pressas para correr para a parte das brincadeiras. Não ignore o trabalho com as classes nem a especialidade que você estava fazendo.


Nesse dia, você pode aproveitar também para fazer atividades ligadas as especialidades mais dinâmicas, como a de pipa ou mestre cuca. As crianças devem cantar, mas de forma dinâmica e não simplesmente um hino no DVD. As reuniões não devem durar horas infinitas, mas terminar com "gostinho de quero mais". 

Faça eventos divertidos com frequência. Aproveite certos domingos para passear, ir à praça, ao museu, etc. Se você não é criativo para escolher brincadeiras, não tenha vergonha de pesquisar na internet. Abaixo, estão alguns exemplos:

 

  1. Dinâmica: "Auxílio mútuo"

 

Objetivo: Refletir sobre a importância do próximo em nossa vida
Material: Um pirulito para cada aventureiro.
Procedimento: 
   Todos em círculo, de pé. É dado um pirulito para cada aventureiro e os seguintes comandos: todos devem segurar o pirulito com a mão direita e o braço estendido. Não pode ser dobrado, apenas levado para a direita ou esquerda, sem dobrá-lo. A mão esquerda fica livre. Primeiro, solicita-se que desembrulhem o pirulito, já na posição correta (braço estendido, segurando o pirulito, de pé). Para isso, pode-se utilizar a mão esquerda. O mediador da dinâmica recolhe os papéis e em seguida, dá a seguinte orientação: sem sair do lugar em que estão, todos devem chupar o pirulito! Aguardar até que alguém tenha a iniciativa de imaginar como executar esta tarefa, que só há uma alternativa: oferecer o pirulito para a pessoa ao lado. Assim, automaticamente, os demais irão oferecer e todos poderão chupar o pirulito. Encerra-se a dinâmica. Cada um pode se sentar e continuar chupando, se quiser, o pirulito que lhe foi oferecido. Abre-se a discussão para pensar sobre quanto precisamos um do outro para chegar a algum objetivo. É ajudando ao outro que seremos ajudados.

 

  1. Dinâmica: "Urso de pelúcia"

 

Objetivo: Mostrar que o outro é importante pra nossa vida 
Material: um urso de pelúcia
Procedimento: 
   Forme um círculo com todos e passe o urso de mão em mão. Quem estiver com o urso deverá falar o que tem vontade de fazer com ele. Quando todos falarem, deve-se pedir para que façam o mesmo que fizeram com o urso com a pessoa do lado.

 

  1. Dinâmica: " das diferenças "

 

Material: Pedaço de papel em branco e caneta
Procedimento: 
   O condutor da dinâmica distribui folhas de papel sulfite em branco e canetas para os aventureiros. Então, pede que, ao dar um sinal, todos desenhem o que ele pedir sem tirar a caneta do papel. Solicita que desenhem um rosto com olhos e nariz. Em seguida, indica que desenhem uma boca cheia de dentes. Continuando o desenho com pescoço e tronco. É importante ressaltar que não se pode tirar o lápis ou a caneta do papel. Então, manda que todos parem de desenhar. As crianças mostram seus desenhos. O condutor da dinâmica aponta que não há nenhum desenho igual ao outro. É preciso lhes dizer que somos multifacetados, com visões de mundo diferentes. Por este motivo, devemos respeitar o ponto de vista do outro.

 

  1. Dinâmica: "Cabra cega no curral"

 

Objetivo: Fazer com que os aventureiros se conheçam de modo divertido

Material: Papel, caneta, saco plástico, pano preto para cobrir os olhos e cadeiras.
Procedimento: 
   ORGANIZAÇÃO: Escreva tarefas para serem realizadas pelos aventureiros; recorte-as e as coloque dentro de um saco plástico para serem sorteadas. Faça um círculo com as cadeiras e coloque os aventureiros nelas; escolha o primeiro participante e coloque o pano sobre os seus olhos. Coloque-o dentro do círculo e movimente-o de modo que perca a direção inicial. O aventureiro deverá ir para qualquer direção de modo que encoste em outra criança que estará sentada. Esta. Por sua vez, não deverá sair do lugar. O participante que for tocado, deverá se apresentar e sortear uma tarefa a ser realizada por ele mesmo. O participante que já foi tocado não poderá repetir, de modo que todos participem.

 

  1. Dinâmica: "Simon diz"

 

Objetivo: O recreador diz algo para que os participantes façam.

Procedimento: Os participantes só deverão fazer o que se pede, caso o recreador diga SIMON DIZ. O recreador: SIMON DIZ: mãos na cabeça! Então, todos os participantes deverão colocar suas mãos na cabeça. Quem não o fizer, erra a brincadeira. Será considerado erro quando os participantes fizerem o que se pede sem que o recreador tenha dito SIMON DIZ. Para chegar ao código do silêncio, devemos fazer a brincadeira e no decorrer devemos dizer: SIMON DIZ: ficar em silêncio! Quem falar ou fizer sons, automaticamente estará errando.

Rafael Oliveira

Rafael Oliveira

Líder de Desbravadores

Rio de Janeiro/RJ

Regional de Deesbravadores - Associação Rio Sul - USeB