Sou líder, e agora?Data de publicação: 23/01/2017

Sou líder, e agora?

Um dia o telefone tocou de madrugada e minha esposa recebeu a notícia de que sua avó havia morrido. Na manhã imediata eu fui dar a notícia aos meus cunhados e sogra, que receberam a nova com o devido pesar. Mas faltava alguém a ser informado: o filho da falecida, o meu sogro. Fui até o trabalho dele e o coloquei a par dos acontecimentos. E foi nesse momento que percebi que eu havia me tornado no responsável por algumas coisas. Entre elas providenciar o enterro e conferir o trabalho dos coveiros cedinho no dia seguinte.

Às vezes em nossa vida, algumas coisas caem no nosso colo e na maioria das vezes não as desejamos, outras vezes sim. Ainda que um pouco mórbida, eu comparo a eleição, o chamado para a liderança com uma notícia inesperada de morte. Sim. É uma situação que não pode ser deixada para depois e necessita de ação rápida.

É comum sentir aquele familiar frio na barriga quando somos informados pela comissão de nomeação que fomos eleitos como líder ou associado(a) do clube. E quando sentimos o chamado para liderar, a sensação é semelhante. Você sabe que assumiu um sério compromisso e que de agora em diante terá que se negar um pouco para realizar um bom trabalho e servir de exemplo a outros. Assim é a vida.

A você cabe agora liderar, e logo a primeira pergunta surge: E agora? É a hora de correr nos seus arquivos de apostilas que arrecadou em treinamentos, ir até a casa do seu líder e pedir conselhos, material, apoio, atenção e misericórdia. É exatamente assim, principalmente quando estamos no começo da carreira de liderança, e ainda quando já somos "macacos velhos" e experimentados na área, com muita bagagem e confiança de sobra,ainda assim não se deixa de sentir aquele frisson com mistura de medo.

Na verdade, não há conselho melhor a dar do que aquele bordão em inglês que está em evidência: "keep calm, and carry on". Isso mesmo, seguir em frente é o mais importante, pois a situação se apresentou e a realidade não é mais a mesma. Ainda me lembro de minha investidura em líder de desbravadores, tanto o meu sentimento quanto os olhares das pessoas mudaram após ser colocado em mim o lenço colorido. O lenço pesa, e mesmo que ele não seja o que realmente no define como líderes, sua presença é de fato fundamental na nossa percepção de lugar no ministério. Se temos no pescoço o octógono da liderança, temos uma obrigação a partir daquele momento.

Recordo com carinho de duas ocasiões, ambas investiduras. A primeira foi em Natal, III camporí da UNeB, após receber o distintivo de master, investi uma garota em líder. Ela estava emocionada, os olhos cheios de lágrimas. Nem sei seu nome, nem de que clube ou cidade. Quando ela me agradeceu e perguntou quem eu era, apenas disse: Pablo, da Bahia. A outra foi em um congresso da Área 3 da Bahia Norte, investi uma outra garota, esta de perto, mas no momento seu nome me escapa. Também emocionada, empolgada com a nova realidade.

Lembro claramente que para as duas eu disse as mesmas palavras, se muito com três ou quatro mudanças. Eu disse-lhes que o lenço é só um símbolo, e que o mais importante estava por dentro. Também as alertei que daquele dia em diante elas seriam destaque, pois os meninos e meninas que liderariam iriam usá-la como um exemplo no qual se espelhar, para o bem, ou para o mal. As duas absorviam minhas palavras como que sugando-as e talhando em pedra, para não esquecer. Senti que as assustei um pouco, mas também que lhes dei um conselho que levarão por todas as suas carreiras ministeriais.

Nenhum líder tem o desejo de fazer voltar o tempo para não ter as responsabilidades da classe. Mas se você um dia almeja ostentar as insígnias da liderança, lembre-se que junto com elas virá uma missão, um chamado que uma vez aceito não pode ser deixado de lado.

Sim, o chamado é um pouco assustador, mas lembrem-se que Deus capacita seus escolhidos, e capacitará você assim como fez com o filho caçula de Jessé. Esse é um conselho que todos devemos pegar para nós: seguir em frente. O lenço pesa, mas também recompensa. Se você deseja um dia ser um líder, seja de desbravadores, jovens ou aventureiros, lembre-se do conselho eterno do tio Ben para o Peter Parker: "Com grandes poderes, vem grandes responsabilidades".

Pablo Rios

Pablo Rios

Líder Máster Avançado de Desbravadores

São José do Jacuípe/BA

Coordenador Regional | MBN /ULB