E aquela galera dos 16/17?Data de publicação: 06/08/2018

E aquela galera dos 16/17?

O que é que a gente faz com essa turma? Já não são mais crianças e nem juvenis, mas também não possuem competência para assumir judicialmente as próprias atitudes e nós não podemos deixá-los responsáveis por um grupo de crianças. Nossos regulamentos determinam que aos dezesseis anos essa turma faça a transição da camisa cáqui para a branca e passem a receber cargos de direção. Ponto. Mas a prática é complexa.

Por favor, não interprete este texto como uma crítica ao sistema vigente, mas aviso que o que vai ler aqui é de opinião totalmente pessoal, embora não exclusiva.

Coloque-se no lugar de quem passou os últimos seis anos sendo o centro das atenções dos eventos e atividades e que de repente o simples fato de completar dezesseis, te exclui de tudo o que fazia antes e que de agora em diante você terá que assumir responsabilidades caso deseje permanecer no clube. Somem-se a isso as mudanças físicas que estão perto do fim, carregadas de doses extremas de hormônios e tentações. É uma idade perigosa e muitas vezes, a falta do espaço que sempre teve, acaba sendo suprida por amizades nem sempre saudáveis. Bem-vindo de volta aos seus dezesseis/dezessete anos. Lembra-se de como era?

Não podemos generalizar, pois cada ser humano é um verdadeiro “uni(di)verso” - como dizia Walter Smetack – e o desenvolvimento de cada um é único. Mas uma coisa que posso afirmar sem medo é que a maioria desses adolescentes não tem maturidade que se espera deles. Não adianta aquela conversa de “olha o seu tamanho”, “vocês já e bem [email protected]”, pois é inerente da idade fazer bobagens e cometer infantilidades (mas não é uma regra). Embora tenham garra e energia para executar as tarefas que lhes são confiadas – e o fazem muito bem quando realmente se interessam – a idade ainda é uma barreira para a liderança.

Houve um tempo em que adolescentes de 16 anos podiam receber a classe de líder, mas isso foi sabiamente corrigido dando a essas pessoas apenas o direito de começar a classe com essa idade. Atualmente se aconselha que esses membros assuma o cargo de conselheiro associado, para “ir pegando experiência” com os mais velhos. Mas não é o suficiente.

Lembre-se que este é um texto opinativo e em minha concepção, os membros de 16 e 17 anos deveriam permanecer usando o uniforme cáqui até que completassem a maioridade, aproveitando estes dois anos para cumprir as classes que eventualmente não foram feitas na idade correta e se foram, fazerem as avançadas e iniciarem a de líder, ocupando não somente o cargo de [email protected] [email protected], como também o de auxiliar de capelania, secretaria, tesouraria, instrução, etc. Dessa forma, aqueles que não tiverem a oportunidade de assumir uma unidade, não cairão de paraquedas em uma função totalmente estranha ao completar 18. Acredito que essa transição será menos traumática e mais proveitosa para eles mesmos e para o clube.

Esses jovens estão aí para serem instruídos e ouvidos. Se bem treinados farão grande diferença no Clube. São fortes, talentosos, mas são pedras brutas que necessitam de lapidação antes de serem colocadas na vitrine. Que tal pensar nisso um pouquinho?

Tema sugerido por: Reinaldo de Jesus Nobre, do Clube Tribo de Levi, ASES. Cariacica-ES

Siga nosso Instagram e dê sua sugestão de tema: @papodelider

Pablo Rios

Pablo Rios

Líder Máster Avançado de Desbravadores

São José do Jacuípe/BA

Coordenador Regional | MBN /ULB