O inevitávelData de publicação: 16/12/2020

O inevitável

Precisamos falar sobre isso. Peço desculpas pelo pessimismo que talvez caia em seu colo após ler este texto, mas não falar sobre isso não vai fazer com que a situação deixe de existir. Então, vamos falar sobre algo que assombra assombrará vários clubes: evasão.

A situação atual é única. Esta geração jamais havia presenciado uma pandemia e da última vez que isso aconteceu a humanidade não possuía as opções que temos hoje para manter próximos os nossos contatos. Atualmente a internet, redes sociais e plataformas de streaming estão dando a sustentação ao entretenimento e às reuniões. Nunca se ouviu falar tanto em aplicativos de web conferência como agora.

Nossos clubes aderiram a essa modalidade de se reunir para poder manter a liga e a motivação. Todos nós sabemos, no entanto, que a presença física é indispensável para o sentimento de comunhão, para manter os laços, haja vista que quando algum de nossos membros sente-se isolado do grupo a tendência é sair. Dito isto sabemos honestamente que tudo o que estamos fazendo nesses tempos de distanciamento social é na verdade um tapa buraco que jamais irá suprir igualitariamente o contato social. Sabemos do desespero que sentimos atualmente, pois nenhum de nós quer perder ninguém. Mas isso é inevitável.

Olha, eu não estou escrevendo esse texto no intuito de trazer opções de reuniões para as atividades online, pois tenho certeza que você já ouviu várias, tantas que nem irá usar todas. Estou aqui para dizer que as evasões vão acontecer e que você não precisa se culpar por isso. Eu sei que muita gente fez muito menos do que deveria ter feito e que outros fizeram além de suas atribuições, andando milhas e milhas a mais, mas mesmo assim parece que ainda não foi suficiente. Talvez não tenha sido, mas acredite: existem momentos que nada será e muitas vezes mesmo o mais que o suficiente não adiantará.

Você não precisa se culpar por tudo que deu errado ou pelo que não foi feito, mesmo tendo dado certo. Às vezes as coisas simplesmente não funcionam e nós precisamos estar aptos a reconhecer isso. Nem tudo o que acontece na liderança fatalmente será uma consequência dos seus atos, às vezes os liderados simplesmente não querem valorizar o seu esforço ou elegem algo melhor para fazer. Aqui você precisará respeitar o livre arbítrio de todos e ter maturidade suficiente para isso. Não é o momento de se martirizar e sim de ressignificar, aprender e canalizar as suas energias para os que permanecerem. É a hora de criar novas estratégias e ideias.

Sabemos que é importante resgatar os desgarrados, mas lembre-se de valorizar os que ficam. Por isso, reitero que é inevitável que baixas ocorram e que você não poderá fazer nada a respeito, mas se você tem a consciência de que cumpriu fielmente a parte que lhe corresponde, acredite: a culpa não foi sua, pode deitar tranquilamente a sua cabeça no travesseiro, pois amanhã é um novo dia e tudo será diferente se você quiser.

Pablo Rios

Pablo Rios

Líder Máster Avançado de Desbravadores

São José do Jacuípe/BA

Conselheiro no Clube Arautos da Fé ABN/ULB